Tecnologia otimiza uso já feito por agricultores para diminuir custos

Não é de hoje que agricultores brasileiros usam óleos vegetais – inclusive óleo de soja comprado no supermercado – em motores de tratores e máquinas agrícolas, substituindo o diesel derivado do petróleo, insumo que representa parte significativa dos custos desses produtores. No entanto, a solução não é recomendada pelos especialistas, porque resíduos gerados na combustão do óleo vegetal, dentre outros fatores, danificam esses motores construídos para uso do diesel.

Agora, um motor modificado e correspondente adequação de combustível desenvolvidos por pesquisador do Departamento de Engenharia Mecânica (DEMec) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) podem significar a viabilidade dessa alternativa. O motor, alimentado por óleo de soja aquecido e etanol altamente hidratado – etanol misturado com água -, representaria não só a possibilidade de autossuficiência do produtor rural, mas também uma alternativa ambientalmente mais adequada, por ser de fonte renovável e, também, pela reabsorção de gás carbônico gerado na combustão pela safra seguinte, via fotossíntese.

A tecnologia está inserida em um programa de pesquisa que busca também outras alternativas bioenergéticas para substituição dos combustíveis fósseis, como, por exemplo, a produção de querosene de aviação renovável. Liderada por Márcio Turra de Ávila, docente no DEMec, a pesquisa que resultou no motor movido a óleo de soja foi desenvolvida durante seu estágio de pós-doutorado na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da Universidade de São Paulo (USP).

Uma das possibilidades de substituição do diesel derivado do petróleo é o biodiesel. No entanto, seu processo de produção também tem alto custo. Os óleos vegetais, apesar de mais baratos, apresentam dificuldades técnicas derivadas de sua viscosidade que, na solução desenvolvida pelo pesquisador da UFSCar, foi abaixada pelo aquecimento a partir da rejeição de calor pelo motor. Essa modificação, associada ao uso do etanol misturado com água, resultou, nos testes realizados, em eficiência semelhante à do motor movido a diesel de petróleo, com bom nível de combustão e redução na emissão de quase todos os poluentes.

A tecnologia foi patenteada, e ainda serão necessários os testes em campo, com máquinas em operação por alguns milhares de horas, para comprovação da sua plena viabilidade. No entanto, nos últimos anos, flutuações no mercado internacional associadas às intempéries climáticas e, principalmente, à pandemia, elevaram muito o preço do óleo de soja no Brasil, afastando possíveis parceiros para a realização desses testes. “Além da questão ambiental, da economia e da questão estratégica de dominarmos a produção de energia no próprio país, há também um aspecto social importante, pelos empregos gerados na cadeia agrícola. Por isso, seguimos confiantes no valor da tecnologia”, afirma Ávila.

*Pessoas interessadas em saber mais sobre a tecnologia e, eventualmente, na possibilidade de parceria, podem entrar em contato com o professor Márcio Turra de Ávila pelo e-mail avila@ufscar.br.

UFSCar
Universidade Federal de São Carlos
Instituto da Cultura Científica

*N.R.: Ilustração de abertura – Foto: CNH Industrial/Divulgação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui