Em Imola, Red Bull e Ferrari vivem fim de semana de sabores opostos

Red Bull esteve absoluta no Autódromo Enzo e Dino Ferrari. Foto: Red Bull.

Quando Enzo Ferrari faleceu, em 1988, a F-1 vivia uma temporada onde os McLaren-Honda de Alain Prost e Ayrton Senna eram imbatíveis. Tudo parecia caminhar para o domínio total da equipe inglesa até que o campeonato chegasse ao mítico circuito de Monza: Senna, na pole position, e Alain Prost dividiram a primeira fila do GP da Itália e na antepenúltima aparecia um estreante na categoria, o francês Jean-Louis Schlesser, que substituía Nigel Mansell. Foi exatamente o estreante que protagonizou o resultado que celebrou uma das raras dobradinhas da Ferrari na F-1 moderna.

Sainz (55) não passou da primeira volta; Leclerc jamais ultrapassou Verstappen na corrida. Foto: Ferrari.

Faltavam duas voltas para a bandeirada, quando Senna se aproximou da variante Della Roggia para iniciar o que seria a segunda a ultrapassagem sobre Schlesser na prova. O francês se atrapalha, deixa o carro escorregar e após recuperar o controle do seu Williams acaba batendo no McLaren do brasileiro. A primeira e única derrota da McLaren naquela temporada não era mais assunto: Gerhard Berger e Michele Alboreto chegaram em primeiro e segundo lugares, respectivamente, e fizeram a massa de tifosi celebrar como nunca a vitória que foi uma homenagem póstuma a Enzo Ferrari, falecido havia cerca de um mês.

Leclerc nunca desistiu, mas só conseguiu um sexto lugar. Foto: Ferrari.

Trinta e quatro anos depois a Scuderia chegou a Imola cercada de otimismo por todos os lados, porcas e parafusos dos seus carros. Desta vez o desenrolar da história foi pintado nas cores que Dante Alighieri usou para o capítulo Inferno de sua Divina Comédia. Max Verstappen repetiu no GP da Emilia-Romagna o domínio que impôs na corrida Sprint na corrida disputada no sábado e que determinou o grid de largada do domingo. Para não deixar dúvidas sobre sua soberania no autódromo que leva o nome de Enzo e Dino Ferrari, fez também a melhor volta da corrida. Em outras palavras, marcou 34 dos 34 pontos possíveis nessa etapa: 8 pela vitória no sábado, um pela melhor volta e 25 pela vitória no domingo. Agora é vice-líder, 26 pontos atrás de Leclerc e a Red Bull está 11 atrás da Ferrari, que soma 124 no Campeonato de Construtores.

Vitória de Verstappen e segundo de Pérez colocam Red Bull na vice-liderança. Foto: Red Bull.

No box ao lado a Ferrari remoía a dor de ter visto Carlos Sainz ser alijado da prova na primeira volta, consequência de um toque de Valtteri Bottas em Daniel Ricciardo, manobra que fez o Ferrari do espanhol ir parar na areia ao lado da primeira chicane. Leclerc ainda se esforçou no domingo e chegou a ocupar o segundo lugar por meras duas voltas, mas tudo indicava que o terceiro lugar seria o melhor resultado, aquele que atenuaria ao máximo a vantagem absoluta do rival maior. Na esperança de alcançar o mexicano Sérgio Pérez e sendo perseguido por um jovem e faminto Lando Norris, o monegasco errou ao percorrer a variante alta e o possível pódio converteu-se em um amargo sexto lugar.

Imola foi a primeira dobradinha da red Bull desde o GP da Malásia de 2016. Foto: Red Bull.

Terminada a prova não faltou quem bradasse um “pintou o campeão”, alusão à majestosa apresentação de Verstappen e da primeira dobradinha da Red Bull desde o GP da Malásia de 2016. Nessa prova os touros vermelhos festejaram a vitória de Daniel Ricciardo, à frente de Max Verstappen. Da mesma forma que outros tantos fizeram a mesma previsão com a vitória acachapante de Leclerc no GP da Austrália, igualmente vale lembrar que restam, pelo menos, 18 etapas para o final da temporada e em 2021 o holandês e Lewis Hamilton chegaram empatados à última etapa da temporada. Tomara que este ano tal situação se repita com cores de paraíso e não com as do inferno, como aconteceu no ano passado.

O resultado completo do GP da Emilia-Romagna você encontra aqui.

* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores Clássicos. Siga o Beegola pelo Instagram

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui