A Rússia perdeu a guerra na Ucrânia. Combates que deveriam durar dois, três dias (tanto que Joe Biden, logo que a invasão começou, ofereceu asilo ao presidente ucraniano) já chegam a dois meses e meio. O poderoso Exército Vermelho, sem armas nucleares, mostrou que não é tão poderoso assim. A OTAN cresce como não crescia há muito tempo, com a próxima adesão de Finlândia e Suécia, e com a decisão alemã de multiplicar os gastos militares. Boas notícias para o Ocidente e a Ucrânia? Sim – mas há um problema. A Rússia pode ser um tigre de papel, mas tem dentes atômicos. E é dirigida por Putin, que se for derrotado perde o poder e a vida. Que fará?

Dificilmente Putin se conformará com uma derrota. Pode tentar a grande virada com o que tem de mais forte, os mísseis atômicos. Ele é perigoso o suficiente para que se evite humilhá-lo. É preciso encontrar, e rápido, alguma saída que lhe permita salvar a face (e a vida). Como se fez com o Japão, no fim da Segunda Guerra Mundial, manteve-se o imperador e milhares de mortes se evitaram. Procurar os culpados pela guerra é coisa para o futuro. Hoje, o que se precisa fazer é evitar que a guerra se alastre.

A Rússia sofre militar e economicamente, a Europa paga muito caro o gás e o petróleo.

E para que? Embora haja malucos achando que é possível desgastar a Rússia até a impotência, o mundo não é assim. Como dizia Shakespeare, há muitos séculos, é muito barulho por nada.

Perdendo tudo

Existem, sim, guerras justas: contra o nazismo e o imperialismo japonês, por exemplo; como a da Ucrânia contra a invasão russa; como, há 500 anos, a dos ingleses contra a Invencível Armada espanhola. Mas esta, fora a luta da Ucrânia contra o invasor, nada tem de justo. O Ocidente viveu até uma lua de mel com os russos (quando Putin se referia a “nossos amigos americanos”). Mas o apetite de Putin pela Ucrânia pôs o mundo em risco. Além das mortes, a Rússia sofre duras sanções econômicas e seus principais produtos de exportação, petróleo e gás, perderam os melhores mercados. A Europa, que vivia bem, livre de despesas militares, dedica-se a torrar euros com armas e soldados. Os Estados Unidos, que haviam montado uma rede internacional de suprimentos, têm de conviver com a escassez de uma série de insumos essenciais. Até o Brasil, tão longe, gasta mais com fertilizantes e sofre com falta de produtos para a indústria. O risco nuclear é para todos.
Não é nem questão de moral ou justiça: é caso de parar de perder.

Meu mulato…

Isso também vale para o Brasil. A poucos meses da eleição, nenhum dos candidatos apresenta seus projetos de governo, caso eleitos. É xingação; pior, exagera-se na xingação. Lula é chamado de “cachaceiro”? Ele gosta, sim. Mas Churchill, o primeiro-ministro que liderou a Inglaterra na Segunda Guerra Mundial, estava longe de ser abstêmio. A rainha-mãe da Inglaterra, também Elizabeth, tomava sua dose de gim todas as noites – dizem que a dose era reforçada, do tamanho de uma garrafa. Morreu com 101 anos.

…inzoneiro

Bolsonaro é acusado de racismo (já deu prova disso, quando Preta Gil lhe perguntou como reagiria se um filho namorasse uma negra e ele disse que não discutiria promiscuidade). Mas dizer que um quilombola gordo pesava sabe-se lá quantas arrobas não é racismo: arroba é uma unidade de medida. Em geral, usa-se para mercadorias, mas não é depreciativa. Dizer, numa sala cheia de nordestinos, que ali havia muitos paus-de-arara que desconheciam a cidade do padre Cícero, só é racismo se a má vontade for muita.

Vou cantar-te nos meus versos

Vamos combinar assim: tanto Lula quanto Bolsonaro têm muitos defeitos, o suficiente para sustentar uma campanha eleitoral inteira. Não é preciso nem inventar defeitos nem forçar a mão. Que tal explorar só os defeitos reais?

Aos fatos

Bolsonaro demitiu o ministro das Minas e Energia pelo mesmo motivo que o levou a trocar duas vezes o presidente da Petrobras: fazer de conta que está tomando providências contra a alta dos combustíveis. Este colunista não sabe se há providências que funcionem; se existem, Bolsonaro não as tomou até hoje.

Mas escolheu um novo ministro, Adolfo Sachsida, que é um retrato de seu Governo. Já disse que Hitler era de esquerda; que é normal que mulher ganhe menos do que homem. Já foi ligado a Olavo de Carvalho. Bom, Sachsida assumiu o Ministério com dois problemas na mesa: o aumento dos combustíveis e o Centrãoduto – uma rede de gasodutos no Nordeste, de cem bilhões de reais, pagos pelo Governo, que segundo seus adversários terá um só beneficiário, Carlos Suarez (o S da OAS), único distribuidor de gás da região.

Em seu discurso, disse que determinaria estudos imediatos para a privatização da Petrobras. Não há tempo para isso nesse governo. E jamais passaria pelo Congresso: onde já se viu o Centrão dispensar vaca leiteira?

* Carlos Brickmann é Escritor, Jornalista e Consultor, diretor da Brickmann & Associados Comunicação. Leia o Chumbo Gordo, informação com humor, precisão e bom. Assine a newsletter: chumbogordo.com.br. Curta e acompanhe pelo Facebook. Siga: @CarlosBrickmann  carlos@brickmann.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui