Teto de gastos na F-1 revigora discussão sobre limitação de salários dos pilotos e calendário pode chegar a 30 provas.

Tema já conhecido, um possível teto para o salário de pilotos volta a ser discutido com mais ímpeto pelas equipes, pilotos e empresários envolvidos com a F-1. Isso é consequência do limite de gastos com o qual a categoria convive há dois e que atualmente é de US$ 140 milhões, valor que desconsidera os rendimentos pagos aos volantes. A nova ordem econômica mundial, a inflação que assola o primeiro mundo e o custo de construir e reparar os atuais monopostos da categoria são os motivos para reativar a discussão sobre o tema desta coluna. Ironicamente, fala-se na ampliação do calendário para até 30 provas anuais.

Em 1993 tornou-se o primeiro piloto da F-1 a faturar US$ 1 milhão por GP. Foto: McLaren.

Em 1993 Ayrton Senna tornou-se o primeiro piloto a faturar US$ 1 milhão por etapa em uma temporada que teve 16 GPs. Tais números causaram uma reviravolta nas relações trabalhistas da F-1 no que diz respeito a empregadores e volantes e nunca parou de crescer. Trinta anos mais tarde, Lewis Hamilton tem um faturamento anual, segundo fontes como o site Celebrity Net Worth e forbes.com de US$ 65 milhões: 75% pagos desse total são pagos pela Mercedes e o restante por patrocinadores que exploram sua imagem na F-1. O atual campeão Max Verstappen fatura US$ 53 milhões. Fernando Alonso, bicampeão mundial e que também tem rendimentos anuais na casa de oito dígitos, é literalmente contra limitar o salário dos pilotos, mas admite que o tema é delicado: “Os pilotos sempre ficaram fora do teto de gastos. Estamos sendo usados mais e mais para promover a F-1. Temos cada vez mais compromissos e estamos em mais contato com os fãs. Estão demandando cada vez mais de nós e a categoria se beneficia com isso. Sem dúvida, é um assunto complicado, muito complicado”.

Para Alonso possibilidade de limitar salários é tema complicado. Foto: Alpine.

Tal qual a distribuição de renda na sociedade brasileira, na base da pirâmide formada pelos 20 pilotos que disputam a categoria há muitos que tem seus vencimentos garantidos por patrocínios que levaram para suas equipes. Um destes casos é o alemão Mick Schumacher, primogênito do heptacampeão Michael. Apesar de suas vitórias e títulos no caminho que percorreu até chegar à F-1, a voz corrente é que o filho não herdou a mesma habilidade do pai. Nada que o desabone, mas os recentes acidentes que ele sofreu já colocam em risco sua permanência na equipe para 2023.

Quebra de contrato com Mazepin e a Uralkali custou caro ao time norte-americano. Foto: Haas.

Entre outros motivos está a manutenção do equipamento, cada vez mais cara. Consertar e reparar os danos causados colocam em risco o orçamento de qualquer equipe e, não custa lembrar, a Haas perdeu o seu principal patrocinador, a fábrica de fertilizantes Uralkali por causa das sanções impostas às empresas russas em consequência da invasão à Ucrânia. Com isso o contrato com o russo Nikita Mazepin foi cancelado às vésperas do início da temporada e os logos da empresa russa desapareceram dos carros, caminhões e uniformes do time norte-americano. O próprio patrão de Mick Schumacher, Guenther Steiner, admitiu a possibilidade de dispensar Mick após a batida em Mônaco, a segunda do ano e que causou prejuízo de aproximadamente US$ 1 milhão ao time: “Não é satisfatório sofrer um acidente como esse novamente. Precisamos ver como ele (Mick) vai se sair de agora em diante.”

Steiner: “Precisamos ver como Mick vai de sair de agora em diante”. Foto: Haas.

Com um piloto pagante – Mick Schumacher – e um contratado – Kevin Magnussen – Steiner é um dos chefes de equipe que não concorda em aumentar o teto de gestos autorizado nesta temporada. No mesmo grupo está o seu par na Alfa Romeo-Sauber, Frédéric Vasseur. Para ele não há motivos para aumentar o limite atual: “Não estamos, definitivamente, diante de um caso de força maior porque a inflação não é um caso de força maior. Cabe à cada equipe decidir se quer desenvolver o carro a cada semana correndo o risco de ficar de fora das últimas quatro ou cinco provas ou evoluir mais lentamente e disputar toda a temporada”

Vasseur: “Cada equipe deve decidir como gasta seu orçamento”. Foto: Alfa Romeo-Sauber.

Força maior e Inflação foram os motivos alegados por Christian Horner para justificar uma revisão no teto de gastos. Para tanto ele alegou o aumento de contas de energia elétrica e outros serviços básicos, mas não fez qualquer menção ao aumento de salários de Max Verstappen após o holandês ter conquistado o título mundial. Isso traz de volta a discussão sobre quanto vale um piloto, algo que o empresário do atual campeão mundial, Raymond Vermeulen, diz ser totalmente contra: “Trata-se de uma idiotice. Os pilotos agregam valor à uma equipe. Seria muito estranho limitar apenas o modelo de rendimentos dos pilotos”.

Vermeulen (e) considera idiotice limitar salário dos pilotos. Foto: Red Bull.

O curioso dessa história é que as finanças da F-1 vão muito bem obrigado, como afirmou ao site F1Total Greg Maffey, o CEO da Liberty, empresa que é proprietária dos direitos comerciais da F-1.

“A F-1 nunca esteve mais saudável. O interesse dos fãs é incrível, temos uma grande competição nas pistas e temos ajudados as equipes. Quando nos chegamos à categoria a Manor, a décima primeira equipe do grid, tinha sido vendida por apenas uma libra. Hoje, uma equipe vale no mínimo, entre US$ 500 milhões e US$ 700 milhões.”

Maffei (e): “A Fórmula 1 nunca esteve tão saudável”. Foto: Pirelli.

Quem sabe a saída para aumentar o teto de gastos da categoria seja um calendário ainda mais longo, algo que Stefano Domenicali, o CEO da F-1, já admitiu que poderia se estender das 22 provas deste ano para 30 etapas. A ideia não encontrou muitos adeptos entre as 10 equipes que disputam o campeonato.

*Imagem de abertura – Foto: Haas.

* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores Clássicos. Siga o Beegola pelo Instagram

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui