A Great Wall Motors (GWM) realizou nesta terça-feira, coletiva de imprensa para apresentar a tecnologia DHT (Dedicated Hybrid Tecnology, ou Tecnologia Híbrida Dedicada) dos motores que vão equipar os próximos veículos da marca a serem lançados no mercado brasileiro.

Todos os modelos da marca serão eletrificados e contarão com versões que vão desde o híbrido leve até o híbrido plug-in, em duas configurações possíveis que vão funcionar com a motorização 1.5 turbo, uma dupla motorização elétrica (chamada de Dual Motor) e um par de engrenagens fixas que conectam o motor a combustão às rodas.

Por isso mesmo, a coluna Mecânica Online® esperou um dia a mais para explicar os diferenciais da tecnologia. Muitas vezes a opção de um veículo híbrido coloca em cheque uma pergunta chave: veículo híbrido é o melhor ou pior de dois mundos?

“Enquanto em um veículo híbrido convencional o motor elétrico serve apenas como suporte ao motor a combustão, no sistema DHT GWM é a motorização elétrica que é o personagem principal, deixando o motor a combustão apenas como apoio quando for necessário”, explica Oswaldo Ramos, Chief Commercial Officer da GWM Brasil.

Na verdade estamos numa fase de transição, onde a experiência de condução elétrica vai ser tornando real aos poucos, desde a combinação do motor à combustão interna com o turbo que ampliou a sensação elástica da condução, chegando agora nos híbridos para posteriormente o avanço dos elétricos.

O que vai mudar será a forma de obtenção da energia. Nesse momento a fonte ainda pode ser o combustível fóssil, depois a combinação híbrida, elétrica diretamente da energia para então chegarmos ao hidrogênio.

Por enquanto vamos conhecer melhor o Dual Motor, sistema que possui três funções: transmitir o movimento diretamente para as rodas, recarregar a bateria do conjunto híbrido e, em condições de alta demanda de torque, auxiliar o motor a combustão gerando torque adicional.

Em vez de recorrer a um câmbio tradicional com diversas marchas, o motor a combustão do conjunto DHT utiliza apenas duas engrenagens: uma destina-se ao uso em altas velocidades e a outra para as médias velocidades, sempre trabalhando em conjunto com o Dual Motor.

Para as baixas velocidades, o sistema privilegia a condução com a motorização elétrica, que também pode atuar em algumas situações de médias velocidades.

Outra característica do DHT é o recurso que permite utilizar o motor a combustão como gerador, apenas para recarregar a bateria, que por sua vez vai alimentar a motorização elétrica que gera a tração para as rodas. Nessa situação, o motor a combustão trabalha sempre em um regime de rotação de máxima eficiência, reduzindo o consumo de combustível quando for acionado.

Devido a esse conceito inovador, o DHT GWM permite a condução elétrica com baixo gasto de combustível e ainda ajuda a entregar números de até 483 cv de potência e 762 Nm de torque, com acelerações de 0 a 100 km/h em até 4,8 s. A engrenagem dupla integrada permite uma gama maior de utilização do powertrain, além de favorecer a redução de peso e de tamanho.

Em função da transmissão com apenas duas marchas e à oferta de condução elétrica por mais tempo temos um baixo nível de ruído e vibração.

O sistema possibilita atingir velocidade máxima de 140 km/h no modo elétrico e até 200 km de autonomia puramente elétrica, no caso da versão plug-in, além do uso do motor elétrico mesmo com baixo nível da bateria graças ao modo gerador, que utiliza o motor a combustão para fornecer energia elétrica.

O DHT GWM permite a oferta de três versões de modelos híbridos: híbridos convencionais (HEV), híbridos plug-in (PHEV) e híbridos plug-in com um motor elétrico extra no eixo traseiro (PHEV P4).

O HEV utiliza o powertrain 1.5T+DHT130, composto pelo motor a combustão 1.5 turbo e um Dual Motor que geram para o eixo dianteiro entre 243 cv e 393 cv (179-289 kW) de potência e de 530 a 570 Nm de torque, com aceleração de 0 a 100 km/h entre 8,0 a 6,5 s.

O PHEV é equipado com essa mesma configuração técnica, mas adiciona uma bateria maior, que possibilita uma autonomia elétrica de até 200 km.

Já o PHEV P4 usa um powertrain 1.5T+DHT130+P4, o que acrescenta um motor elétrico extra no eixo traseiro, resultando em uma potência máxima entre 393 cv e 483 cv (289-355 kW), torque de 762 Nm e aceleração de 0 a 100 km/h entre 5,0 a 4,8 s, com até 180 km de autonomia elétrica.

Por ter um motor extra, o PHEV P4 proporciona ainda o recurso AWD All-Terrain, um sistema de tração permanente nas quatro rodas que conta com divisão inteligente de torque entre os eixos: podem variam de 100% na dianteira até 100% na traseira, passando por qualquer proporção que o conjunto considerar necessário.

Essa distribuição de torque entre os eixos é automática e é determinada em função do nível de aderência do piso e da estabilidade dinâmica do veículo. Desse modo, o AWD All-Terrain consegue combinar o melhor desempenho off-road em estradas de terra com a maior aderência e estabilidade em pisos de asfalto seco ou molhado. Outro benefício AWD All-Terrain é a capacidade de subir rampas de até 65% de inclinação.

Atualmente, os powertrains do sistema DHT GWM já estão sendo testados no Brasil para que possam se adequar às condições de rodagem do território brasileiro e para atender às necessidades e preferências do consumidor brasileiro.

Próximo do final do ano a GWM deverá estrear por aqui o SUV Haval H6, no primeiro momento importado para depois ser fabricado na fábrica de Iracemápolis (SP), a mesma onde eram fabricados os carros da Mercedes-Benz.

Tarcisio Dias – Profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista. Desenvolve o site Mecânica Online® (mecanicaonline.com.br) e sua exclusiva área de cursos sobre mecânica na internet (cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes. Entre os três (TOP 3) +Admirados Influenciadores Digitais da Imprensa Automotiva. Entre os cinco (TOP 5) dos +Admirados Jornalistas da Imprensa Automotiva. Premiado (TOP 3) na categoria Automotivo e Motociclismo da 7ª edição do Prêmio Especialistas.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui