Minha expectativa era enorme. Convidei a Dilma e seu marido Sílvio para o teste do Tiggo7 para saber o que duas pessoas com deficiência visual pensavam de um carro. Como elas sentiam o Tiggo 7. Minha ansiedade caiu por terra quando, ao chegar perto do carro, Sílvio ao entrar, colocou a mão no teto e disse: é um SUV, não é chico? Que marca?

Pronto, sem que eu tenha dado qualquer informação sobre o modelo, Sílvio – que sugeriu o título desta coluna – acertou tratar-se de um SUV, tirou minha ansiedade. Perguntei como ele sabia qual era o tipo de carro, ele respondeu com uma simplicidade que lhe é característica: pela altura do teto.

Por sua vez, Dilma foi logo elogiando o revestimento do banco e das laterais da porta. Na primeira parte do teste (trecho das rodovias dos Imigrantes e parte da Padre Manoel da Nóbrega, cerca de 200 quilômetros), ela foi sentada no banco traseiro e elogiou o conforto oferecido.

Dilma Oliveira de Souza tem 56 anos, nasceu cega, com má formação do globo ocular e atrofia do nervo ótico. Recuperou parte da visão na infância, mas aos 43 anos começou a desenvolver um glaucoma e hoje detém apenas 4% da visão, no olho esquerdo. Sua leitura é por Braille (Sistema Braille é um código formado por sinais em relevo que possibilitam a leitura e escrita das pessoas com deficiência visual, parcial ou total. Foi criado pelo francês Louis Braille, no século XIX e introduzido em 1854 no Brasil).

Ela é professora de Educação Especial, com formação em deficiência mental e visual, tem pós graduação para ensino de pessoas com múltiplas deficiências e deficiências sensoriais, formada pelas faculdades Carmo Lusíada da Mackenzie. Dilma toca flautas doce e transversal, violão e ainda estuda sax alto. Mas não entende nada de carro, segundo ela própria.

-Só sei andar!!!!!

Sílvio Roberto Gonzaga de Souza, tem 59 anos e perdeu totalmente a visão em um acidente, aos 31 anos. Ele dá aulas de flauta doce para crianças e adultos. Ao contrário da esposa, é apaixonado por carros. Lê, em Braille, ou toma conhecimento por audiovisual de tudo o que acontece no mundo automobilístico e provou isso durante o teste.

Confesso aqui que fiz um teste com ele. Parei o carro e disse que ele tinha “stop & go”. Imediatamente ele me corrigiu, dizendo que não, que era apenas um sistema de assistente de partida de rampa, usando a sua capacidade de audição.

– Desligue o rádio e você vai continuar ouvindo o motor funcionando. Eu senti o motor vibrando no banco e nos meus pés.

Confesso que não ouvi e nem senti a vibração mencionada pelo Sílvio.

Sua paixão por carros vem do seu tempo de jovem, quando tinha moto e carro para viajar.

– A gente namorava dentro dos carros, Era ótimo!!!

Sílvio usa o teclado do computador para escrever o que quer, lembrando do curso de datilografia que fez quando tinha visão. E se queixa de que as propagandas de carros não têm audiodescrição.

Elogiou o banco do carro que, segundo ele, acolhe bem o usuário. Falou da altura do teto, que não incomoda quem tem, como ele, mais de 1,80 m de altura. O elogio foi feito em ralação ao banco dianteiro e ao traseiro, ressaltando que o túnel central não chega a incomodar quem viaja atrás no carro.

Também gostou, e muito, do apoio de braço no banco traseiro, do ajuste do banco para o passageiro (“show”), da textura do material interno do carro, do tamanho do porta-luvas.

Ficou surpreso ao saber que o porta-malas é aberto e fechado com toques na chave do veículo.

Quanto à suspensão, do alto da sua sensibilidade, afirmou que ela não repassa para os ocupantes do carro, as irregularidades do terreno.

– Sinto, claro as irregularidades, mas não de maneira desconfortável, como em outros veículos.

PROMUVI

E o que liga Dilma e Sílvio, além do casamento e duas filhas, é o PROMUVI (Música Transformando Vidas), um projeto santista, criado pelo maestro Paulo Mauá, que reúne, em sua maioria pessoas com deficiência visual, para o aprendizado de flauta doce. Ambos fazem parte da orquestra do projeto. Querendo conhecer e colaborar, entre no https://www.facebook.com/musicatransformandovidas.

Sonho da Dilma

“Opa!” Eu ia esquecendo de contar qual é o sonho da Dilma, em matéria de carro. Ela quer ir aos Estados Unidos e “dirigir” por lá.

– Quero entrar naqueles carros autônomos que circulam lá pela Califórnia e falar para onde quero ir e o carro vai sozinho. Seria ótimo realizar este sonho.

*chicolelis – Jornalista com passagens pelos jornais A Tribuna (Santos), O Globo e Diário do Comércio. Foi assessor de Imprensa na Ford, Goodyear e, durante 18 anos gerenciou o Departamento de Imprensa da General Motors do Brasil. Fale com o Chico: chicolelis@gmail.com

**O  desenho é um presente do Bird Clemente para o chicolelis, que tem no ex-piloto, seu maior ídolo no automobilismo.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui