Verstappen vence mais uma. Porsche, Vettel e Alonso movimentam o mercado de trabalho.

Verstappen venceu nove das 13 corridas já disputadas este ano e soma 258 pontos. Foto: Red Bull.

Nem a Fórmula 1 não escapou da elevada onda de calor que assola a Europa: as três semanas de pausa do meio do calendário 2022 serão sempre lembradas pelas novidades descobertas e anunciadas nos últimos dias. Impossível ignorar o impacto que o impacto que envolve a volta da Porsche à categoria, a aposentadoria de Sebastian Vettel e a transferência de Fernando Alonso da Alpine à Aston Martin. Igualmente, não se pode deixar de lado o mais recente vexame estratégico da Ferrari, que cada GP que passa parece melhorar em sua capacidade de anular o potencial de vitórias e pódios de Charles Leclerc e Carlos Sainz.

Erros estratégicos consecutivos da Ferrari criam cenário de chuvas e trovoadas na Scuderia. Foto: Ferrari.

No GP da Hungria disputado no último fim de semana os dois pilotos da Scuderia foram prejudicados por estratégias equivocadas com relação às escolhas de pneus e Leclerc terminou em sexto lugar, resultado modesto para quem iniciou o ano liderando o campeonato e agora está 80 pontos atrás do líder Max Vertappen. Em Hungaroring, o atual campeão mundial largou em décimo, rodou durante a prova e venceu com autoridade.

O retorno da Porsche acontecerá através de uma associação com a Porsche, que está finalizando os detalhes de um negócio em que assumirá 50% da equipe Red Bull. Mantida sob sigilo, a negociação só foi descoberta porque o acordo deveria ser homologado em vários países, entre eles o Marrocos, onde uma lei exige a publicação da venda em meios de comunicação. Ao adquiri metade da Red Bull a Porsche desembarca na F-1 com vantagem sobre a Audi, outra empresa do grupo VW que já tornou público sua intenção de entrar na categoria em 2026.

Aparentemente, as negociações da casa de Ingolstad estão avançando em direção à incorporação da Sauber, atualmente ligada à Alfa Romeo por um contrato de patrocínio. Haas e Williams são outras operações que devem trocar de mãos em breve. Vale lembrar que a Honda, autora do projeto do motor usado pela Red Bull atualmente, renovou o contrato de assistência técnica com o time austro-inglês até o final de 2025.

Tetra-campeão mundial, Vettel abandona a F-1 no final do ano. Foto: Aston Martin.

A despedida de Sebastian Vettel não chegou a surpreender: o piloto que venceu quatro campeonatos consecutivos entre 2010 e 2013, há tempos dava mostras de que sua aposentadoria se aproximava cada vez mais. Após um período de algumas vitórias e muitas frustrações na Ferrari, a transferência para a Aston Martin prometia ser um nova fase de sucessos para o alemão nascido em Heppenheim aos 3 de julho de 1987. O desempenho pífio dos carros construídos para 2021 e 2022 certamente catalisaram a decisão de se retirar da F-1. Resta saber se ele continua fazendo parte da Aston Martin, haja vista que sua contratação envolveu uma participação acionária na marca inglesa.

Alonso não hesitou em deixar a Alpine de lado e assinar com a Aston Martin para 2023/24. Foto: Alpine.

Se Vettel não surpreendeu, Fernando Alonso anunciou sua mudança para a Aston Martin no seu peculiar estilo de causar impacto. Após ter negado a Otmar Szafnauer, o diretor esportivo da Alpine, de que não tinha assinado com ninguém e que voltariam a conversar sobre a renovação de contrato esta semana, o espanhol foi anunciado como futuro companheiro de equipe de Lance Stroll, filho do dono da equipe. A causa mais provável para esta mudança é, aparentemente, um acordo para seguir competindo nas próximas duas temporadas, algo que o time francês não lhe garantia.

Permanência de Ricciardo na McLaren é alvo de negociatas e possíveis blefes. Foto: McLaren.

O principal candidato à preencher a vaga aberta pelo espanhol é o australiano Oscar Piastri, que é o principal investimento da Academia Alpine. Piastri tem como empresário o ex-piloto Mark Weber, que estaria negociando um possível acordo com a McLaren, onde a permanência de Daniel Ricciardo é incerta. Szafnauer, porém, já deixou claro que sua equipe tem direitos sobre Piastri e que pode vetar essa mudança. Caso ele apareça disputando a primeira sessão de treinos livres nas próximas corridas, seu futuro estará mais bem encaminhado. Caso ele não apareça nos boxes, isso poderá ser entendido como um recado a Weber, algo na base do “pega eleve, australiano!”.

O resultado completo do GP da Hungria você encontra aqui.

* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores Clássicos. Siga o Beegola pelo Instagram.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui