‘Dôra, Doralina’ mostra-se atemporal como expressão da emancipação feminina

Livro que marca o retorno de Rachel de Queiroz ao gênero romance chega às livrarias dando continuidade ao novo projeto gráfico desenvolvido pela Ed. José Olympio para a obra da autora, que completa 110 anos em 2020. A editora prepara, ainda, novo projeto e lançamento de O memorial de Maria Moura para 2021.

Após a publicação dessa obra, Rachel de Queiroz foi convidada a assumir a cadeira número 5 da Academia Brasileira de Letras, tornando-se assim a primeira mulher a fazer parte da instituição. Em 1993, recebeu o prêmio Camões. Em 2020, Rachel de Queiroz completaria 110 anos, com uma obra atual e atemporal.

Dando continuidade ao projeto de renovar o projeto gráfico da obra de Rachel de Queiroz e reafirmar sua importância para a literatura brasileira, a Editora José Olympio lança agora Dôra, Doralina, uma forma também de celebrar os 110 anos da autora, efeméride que reafirma as características atemporais de Queiroz que, em obras como essa, se mostra atual e relevante mesmo com o passar das décadas.

Dôra, Doralina, obra que marca a retomada de Rachel de Queiroz ao gênero romance, pode ser lido como expressão da emancipação feminina, na qual Dôra sai da condição de mulher submissa para conquistar a liberdade de ser o que desejar e levar a vida que quiser. Personagem fascinante, ela é um dos perfis femininos mais intensos da literatura brasileira.

O livro narra a história de Maria das Dores, viúva recente de um casamento de conveniência, que sai da sombra da mãe e de uma vida de submissão para viver em Fortaleza. Na capital do Ceará, Dôra torna-se atriz e passa a viajar pelo Brasil como integrante da trupe de uma Cia de teatro mambembe. Em determinada viagem conhece o Comandante, homem que desperta seu amor mais profundo e com quem se muda para Rio de Janeiro, abandonando o teatro. Após sua experiência com o amor que poucos têm coragem de viver, Dôra retorna para sua cidade natal, fechando o ciclo de vivências que a transformaram em outra mulher.

A autora

Rachel de Queiroz nasceu em Fortaleza, em 1910. A autora fugiu da seca de 1915 com a família para o Rio de Janeiro, onde teve que permanecer em repouso por conta de uma doença nos pulmões, assim, escreveu seu primeiro livro mais conhecido: O Quinze, publicado em 1930. Foi também jornalista, tradutora e teatróloga. Autora de destaque na ficção social nordestina, Rachel de Queiroz foi a primeira mulher escritora na Academia Brasileira de Letras, 1977, e também a primeira mulher vencedora do Prêmio Camões, 1993. Faleceu em 2003.

Serviço
DÔRA, DORALINA
Rachel de Queiroz
Páginas: 432
Preço: R$59,90
Editora José Olympio

Grupo Editorial Record

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui